domingo, 25 de fevereiro de 2018

Desincompatibilização. Fernando deixa Governo e assume pré-candidatura em março

O secretário adjunto do Gabinete do Governador, Fernando Santana (PT), deve se desincompatibilizar do cargo no próximo mês de março. Com a saída das ações oficiais, Fernando assume a posição de pré-candidato a uma vaga na Assembleia Legislativa. O anúncio foi feito à aliados políticos no Cariri.

Depois de pouco mais de três anos no Governo, Fernando tem se notabilizado pelo encaminhamentos de projetos e articulação para liberação de recursos aos municípios. Tem sido um elo de ligação das gestões municipais com o Governo do Estado. O esforço rendeu a indicação para a disputa estadual deste ano.

Fernando é o primeiro pré-candidato dos quadros do Governo a deixar o cargo. Quer ampliar suas articulações políticas para se viabilizar na disputa deste ano.

Na Berlinale 2018 filme de Maria Augusta Ramos faz sucesso





A observação de Rodrigo Fonseca

Ações contra Paulo Preto em SP detalham os esquemas que ele montou, sem ser incomodado pela Lava Jato

O Palácio dos Bandeirantes está nervoso. É que Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, chegou à Desenvolvimento Rodoviário S/A, a Dersa, pelas mãos de Geraldo Alckmin, em 2005, às vésperas do tucano se tornar candidato ao Palácio do Planalto.
Alckmin disputou as eleições presidenciais contra Lula, em 2006. Não se sabe, ainda, se Paulo Preto atuou fora de sua esfera para ajudar nas finanças da campanha.
Paulo Preto assumiu inicialmente a diretoria de Relações Institucionais. Em 2006, já com José Serra no governo, passou à diretoria de Engenharia, que tocou as obras que serviram de vitrine para o tucano na campanha de 2010: ampliação da marginal do Tietê, do complexo viário Jacu Pêssego (zona Leste da capital) e a construção do eixo Sul do Rodoanel.
As duas primeiras obras tinham grande importância eleitoral, por serem utilizadas por milhões de motoristas de São Paulo. A construção do Rodoanel apareceu em vídeos da campanha eleitoral de Serra para “provar” a capacidade administrativa do tucano.
Mas, as denúncias apresentadas pelo MPE de São Paulo (ver íntegra abaixo) sugerem que Paulo Preto montou esquemas para desviar dinheiro utilizando familiares e amigos nas três obras.
As denúncias, no entanto, cobrem apenas a atuação local de Paulo Preto, já que eventuais desvios que impliquem em remessas de dinheiro para fora do Brasil — R$ 113 milhões dele foram localizados na Suiça — caem na esfera federal.
O avanço de apurações em São Paulo, dizem fontes ligadas ao MP, pode ficar condicionado a interferência política.
Paulo Preto serviu como assessor especial da Presidência no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, levado ao cargo pelo hoje chanceler Aloysio Nunes Ferreira, aliado próximo de Serra.
Aloysio foi chefe da Casa Civil no governo Serra. Em 2007, recebeu um empréstimo de 300 mil reais da filha de Paulo Preto para comprar um apartamento, que diz ter pago, mas sem juros.
Uma das filhas de Paulo Preto é a advogada Priscila Arana de Souza Zahan. Ela trabalhou como advogada em um escritório que representava empreiteiras contratadas em obras que o pai tocava enquanto diretor da Dersa, segundo denúncia da bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo.
Tatiana Arana Souza Cremonini, outra filha de Paulo Preto, foi contratada como assistente técnica de gabinete de Serra. O decreto foi assinado em 29 de janeiro de 2007. Com salário de R$ 4.595, mais com gratificações, a jornalista atuava no cerimonial.
Ela já havia trabalhado anteriormente em um cargo de confiança da SPTuris, quando Serra foi prefeito de São Paulo.
Tatiana é casada com Fernando Cremonini, que foi sócio da mãe de Paulo Preto, Maria Orminda Vieira de Souza, na empresa Peso Positivo, que foi subcontratada pelo consórcio Andrade Gutierrez-Galvão na construção do lote um do Rodoanel Sul.
Tatiana responde com o pai a uma ação pública do MPE, segundo a qual ela contribuiu para a criação de cadastros fictícios de moradores no Programa de Compensação Social e Reassentamento Involuntário da Dersa.
A fraude permitiria a pessoas não afetadas pelas obras receber indenização como se fossem.
Darci Hermenegilda dos Santos, que prestou serviços domésticos na casa de Tatiana, recebeu uma casa de ‘indenização’, apesar de não morar na região das obras.
O Rodoanel foi a grande obra dos tucanos em São Paulo. Mário Covas lançou o edital prevendo que custaria menos R$ 10 bilhões (valores atualizados). Quando o trecho Norte acabar, terá custado mais de R$ 25 bilhões.
As empreiteiras “racharam” a obra entre si e contribuiram enormemente para os caixas de campanha dos tucanos, paulistas.
Só a Odebrecht diz que deu mais de R$ 50 milhões a José Serra.
Quando dirigia o setor de Engenharia da Dersa, Paulo Preto era responsável pelas medições, ou seja, pela constatação de que as obras estavam sendo feitas de acordo com o planejado, o que garantia novos desembolsos de dinheiro público.
No ano passado, a Justiça determinou a destruição das provas da Operação Castelo de Areia, deflagrada em 2009.
Ela focou na contabilidade paralela da empreiteira Camargo Corrêa, apreendida pela Polícia Federal.
Foi a primeira vez que o nome de Paulo Preto apareceu numa investigação.
Numa das anotações, abaixo do “acordado com Paulo Souza”, há a menção a quatro pagamentos de R$ 416 mil, a partir de 20.12.2007, referentes à obra do Rodoanel.
Noutra, há referência a um pagamento de R$ 120 mil referentes à décima sétima medição da obra do Rodoanel, em dezembro de 2008.
Há também menção a um convênio entre a Prefeitura Municipal de São Paulo e a Dersa para a construção de um túnel na avenida Roberto Marinho (que, aliás, nunca saiu), com dois pagamentos de R$ 600 e R$ 650 mil em fevereiro e março de 2009.
Não se sabe se os pagamentos, que somam cerca de R$ 2,6 milhões, foram de fato feitos. Mas é possível extrair das provas a dimensão das propinas que a Camargo Corrêa anotava em sua contabilidade paralela.
Numa planilha, sem data, os pagamentos atribuídos ao PSDB somam mais de R$ 13 milhões.
Alckmin teria recebido a maior parte, mais de R$ 5 milhões. São mencionados ao lado dele um certo Ademar, a CCR — empresa que tem concessões para cobrar pedágio em rodovias de São Paulo –, o diretório do PSDB no Pará, “Textil”, a CESP e Mauro Arce, que foi secretário de Energia de Mário Covas, de Transporte de Serra, presidente da Sabesp, diretor e presidente da CESP.
Serra, segundo a planilha, teria recebido mais de R$ 4 milhões. O nome dele aparece ao lado do publicitário Luiz Fernando Furquim já falecido, homem de confiança do tucano; de Rodoanel, Textil, Montoro, “jantar”, e transferências ao PPS e a Afif e Aldo — que podem ser Guilherme Afif Domingos e Aldo Rebelo.
Os nomes de Garibaldi Alves Filho, Cássio Cunha Lima, Yeda Crucius e Aécio Neves também aparecem na planilha.
Tudo indica que as doações se referem ao período que precedeu as eleições de 2010, quando todos foram candidatos.
Pelo levantamento da Castelo de Areia, a empreiteira contribuiu com dezenas de candidatos de praticamente todos os partidos no poder, em troca de obras municipais, estaduais e federais.
Apesar deste conjunto de informações ser pública e demonstrar a importância de Paulo Preto no ninho tucano, ele não sofreu condução coercitiva e permanece livre, leve e solto.
- no Viomundo

Coimbra: haverá eleições, PT vem forte, Bolsonaro murcha e Temer inexiste

O cientista político Marcos Coimbra, diretor do instituto Vox Populi, publica uma competente análise política neste fim de semana, na revista Carta Capital, em que destaca alguns pontos: (1) haverá eleições porque o golpe precisa manter a aparência de legalidade; (2) o PT terá candidatura própria com ou sem Lula porque tem o maior cacife eleitoral do País; (3) Jair Bolsonaro vem murchando com o esgotamento do discurso de ódio e (4) Michel Temer pode torrar bilhões em propaganda que continuará a ser inviável.
Sobre o primeiro ponto, ele afirma que os senhores do poder prezam as aparências e tentam encobrir o golpe com um verniz legalista. Tanto foi assim que a farsa da deposição da presidente Dilma Rouseff veio acompanhada de um ritual de impeachment. "É esse legalismo de fachada que impede nossas elites de desnudar o golpe e, pura e simplesmente, cancelar as eleições de outubro", afirma.
Em relação ao PT, Coimbra vê Lula como candidato fortíssimo, mas diz que, em caso de seu impedimento pela condenação sem provas, o partido deverá manter uma candidatura própria. "O PT tem o maior líder político da atualidade, que a maioria considera o melhor presidente que tivemos. Seria despropositado que uma legenda com esse cabedal fosse buscar candidato ou candidata fora de seus quadros", diz ele.
Quanto à direita, ele afirma que Bolsonaro está mais perto do segundo turno do que outros nomes e também afirma que, mesmo com todas as campanhas publicitárias do mundo, Michel Temer é absolutamente inviável.
- no Brasil 247

Mega-Sena, concurso 2.017: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 11 milhões

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.017 da Mega-Sena, realizado na noite deste sábado (24) na cidade de Campo Belo (MG). O prêmio acumulou.
Veja as dezenas sorteadas: 02 – 10 – 11 – 24 – 38 – 56.
A quina teve 123 apostas ganhadoras; cada uma levará R$ 16.317,17; outras 6.125 apostas acertaram a quadra; cada uma receberá R$ 468,10.
O próximo concurso (2.018), na quarta-feira (28), tem prêmio estimado em R$ 11 milhões.

Para apostar na Mega-Sena

As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país. A aposta mínima custa R$ 3,50.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.
Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.
- no G1

Ceará tinha 451 mil trabalhadores desocupados no 4º trimestre de 2017, diz IBGE



O Ceará teve 11,1% de sua população desocupada no quarto trimestre de 2017; na Grande Fortaleza, a situação é melhor: 9,8% dos moradores não trabalhavam no mesmo período, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) trimestral divulgada nesta sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
Os números representam 451 mil cearenses com mais de 14 desocupados e 217 mil na Grande Fortaleza. No Brasil, 26,4 milhões de brasileiros estavam sem trabalho no quarto trimestre de 2017. Esse número representa os trabahalhadores subutilizados no país, grupo que reúne pessoas que poderiam trabalhar, mas estão desocupadas, e aqueles que trabalham menos de 40 horas semanais.

Trabalho menos de 40 horas

O IBGE divulgou também o número de cearenses que têm a força de trabalho subutilizada, aqueles que poderiam trabalhar 40 horas semanais, mas não têm oportunidade de emprego com essa carga horária; consequentemente, essas pessoas recebem menor remuneração.
No Ceará, essa condição afeta 21% dos trabalhadores. Em todo o país, são 6,5 milhões de pessoas que trabalham menos de 40 horas.
Segundo o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, a população de trabalhadores subutilizados tem "praticamente um perfil único" por conta, sobretudo, das dificuldades inerentes ao ingresso no mercado de trabalho.
“Os jovens, dadas as dificuldades e barreiras deles se inserirem no mercado de trabalho – falta de experiência, falta de qualificação. Isso também vai abranger um maior contingente da população preta e parda, que também tem maior dificuldade de se inserir por conta da formação e da qualificação e pela falta de experiência.”

Cearenses podem receber alerta de riscos e desastres a partir de segunda-feira, 26

Moradores do Ceará podem se cadastrar para receber alertas de riscos e desastres naturais a partir de segunda-feira (26). Os textos serão enviados em caso de riscos de inundações, perigo de deslizamentos de terra, alagamentos, temporais e outros eventos naturais que possam trazer risco à população local.
A partir de segunda-feira, o seguinte informe será enviado aos celulares: "Defesa Civil Nacional informa: novo serviço de envio de SMS gratuito com alertas de área de riscos. Para se cadastrar responda para 40199 com CEP de interesse". Se a mensagem não chegar ao usuário, ele pode se cadastrar pelo mesmo número de SMS, 40199.
O Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), do Ministério da Integração, e Defesa Civil dos estados e municípios serão responsáveis pelo serviço de envio das mensagens para o celular das pessoas interessadas.

2,3 milhões de cadastros

De acordo com o SindiTelebrasil, 2,3 milhões de pessoas já se cadastraram, e 43 milhões de mensagens de alerta foram encaminhadas em todo o Brasil, onde o serviço já funciona.
O sistema foi desenvolvido em parceria com os órgãos de Defesa Civil e as operadoras de telefonia móvel. O serviço, que não tem nenhum custo para o cidadão, já está implantado nos estados Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.
Segundo a Anatel, cerca de 20 países contam com serviços semelhantes, como Canadá, Chile, Bélgica, Filipinas e Japão.
- no G1

Açude Castanhão recebe volume de água pela primeira vez em 10 meses

O açude Castanhão, maior açude do país e principal reservatório a abastecer a Grande Fortaleza, recebeu um leve ganho no volume de água com as chuvas de fevereiro. Entre quinta-feira (22) e este sábado, o volume de água no Castanhão subiu de 2,08 para 2,1%, segundo a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Coergh).
A última vez que o açude havia recebido água foi entre 19 e 20 de abril de 2017; nessa data, o volume do Castanhão subiu de 5,97% para 6,01%.
Desde então, dia após dia, o Castanhão perdia volume, por meio do consumo humano e evaporação natural da água.
- no G1

No Crato artesão constrói instrumentos musicais de objetos reciclados

O sonho de seguir os passos do ponta-esquerda Valdemiro, seu pai, fez o ainda garoto, Aécio Ramos virar jogador de futebol; mas a carreira de atleta durou só até os 24 anos, quando resolveu se dedicar ao artesanato. A inspiração para fabricar objetos veio de sua mãe, a cantora, atriz e artesã Josefa Rodrigues da Conceição. Ela produzia muitos itens, principalmente de barro, como panelas, potes, pratos e quartinhas. Foi esta mulher multitalentosa que ensinou o garoto, de apenas oito anos, fazer um violão de tala de coqueiro, o primeiro instrumento musical de um dos luthiers do Cariri.
"Desde pequeno comecei a aprender com ela. Eu não tinha como fugir. Meu pai foi jogador. Aprendi a jogar bola com pai e fabricar com mãe", afirma Aécio Ramos. A música está na sua família desde então, e inspirou seus dois filhos a trabalharem profissionalmente com ela.
Mas a trajetória de moleque no Crato teve importante passagem por São Paulo, onde atuava como jogador profissional. Após encerrar a carreira, o artesão começou a estudar Música na Academia de Música e Artes (AMA) e fazer 43 cursos profissionais nas mais diversas áreas como pintura, mestre de obras, funilaria. Tudo em solo paulista.
"O futebol, todo garoto sonha. Eu era meia esquerda, fazia muito gol. Era armador do time. Mas não podia ficar só naquilo. Como recebia por jogo, se ganhasse a partida o dinheiro era melhor. Mas como já tinha afinidade com a música, percebi que, com ela, faria mais pelas pessoas", explica o artesão, que voltou ao Crato e começou a estudar a fabricação dos instrumentos. Paralelamente a isso, tocou em algumas bandas locais.
Com os vários cursos no currículo e habilidade com trabalhos manuais, Aécio Ramos começou a produzir os instrumentos musicais com o material que encontrava no lixo. Resto de guarda-roupa, armários, cadeiras de plástico, entre outros móveis. Tudo se transforma em suas mãos. Ele já fez violas, violão, violoncelo, violinos, pandeiros e desenvolveu mais de 15 modelos de rabecas. Há dois anos se arriscou a fazer um acordeon.
Com uma lâmina de serra, lixa, trena e estilete sem ponta, fabricados no fundo do quintal, os instrumentos ganham forma. "O primeiro objetivo é limpar o meio ambiente e dá vida às plantas. A doação de marcenaria é muito pouco. As pessoas jogam nas margens do Rio Grangeiro ou deixam nas calçadas. Eu conheço as madeiras, imbuia, jacarandá. Até o pó de madeira a gente usa. Não se perde nada. Estes instrumentos, 90% é do lixo. Eu mesmo só vivo no meio do lixo", brinca Aécio.
Projeto
Até o verniz, que dá brilho aos instrumentos, é natural. Uma peça pequena, como uma rabeca, é feita em um dia. Elas são vendidas para manter o Projeto Cultural Edit Mariano (Procem), criado por ele e sua esposa, Tereza Neuza de Oliveira, que oferece aulas de música e dança para a comunidade, gratuitamente. O próprio Aécio ministra a oficina para confeccionar os instrumentos com as crianças, enquanto ela coordena os grupos de maracatu e afoxé.
O Procem tem 22 anos e seu nome homenageia a mãe de Tereza Oliveira, Edit Mariano, presidente do bairro Zacarias Gonçalves por muitos anos, que realizou atividades sociais, como arrecadação de cestas básicas e luta por moradia. "Ela inspirou a gente a construir esse projeto", destaca Tereza. Tudo começou com o grupo Improviso, que contava com a participação do casal. A música os uniu e, hoje, eles já ensinaram mais de mil crianças a tocar instrumentos, dançar e cantar. Nas oficinas, os alunos ganham os próprios instrumentos, certificado e apostila. Uma vez por mês, distribuem uma sopa para a comunidade.
O projeto conta com o apoio de dez instrutores e quatro "padrinhos" que ajudam financeiramente. Sem recursos públicos, a venda das peças fabricadas por Aécio é uma das fontes. Uma rabeca, por exemplo, chega a custar R$ 300.
Felizmente, o número de encomendas sempre é alto. "Estou aqui com dez encomendas", conta o artesão que já vendeu instrumentos para pessoas de São Paulo, Rio de Janeiro e até para os Estados Unidos.
"Tudo vende. As pessoas usam para enfeitar a parede de uma casa. Eu faço a decoração nos instrumentos. As gravuras não são tinta, é feito com fogo, como os ancestrais faziam. Ele é único no mundo. São diferentes com esses detalhes. Desses aqui você não encontra em nenhuma loja", garante Aécio Ramos.
Pagamento
No começo, o Procem fazia eventos e excursões para ajudar pessoas carentes. A escola de música começou na Igreja do bairro, mas a Diocese não permitiu o uso do espaço sem pagamento. Desde então, ele funciona no fundo do quintal da residência do casal. No início, eram cinco crianças com aula de violão, que se ampliou para a percussão, baixo e teclado.
Um coral de crianças também foi montado. Há quatro anos, o Maracatu do Procem e o Tambores do Axé também animam o projeto. "No começo era só a comunidade. Hoje em dia não é assim", pontua Tereza.
Nestes 22 anos, várias crianças, depois de adultas, começaram a trabalhar com música. Outras estudam Licenciatura em Música na Universidade Federal do Cariri (UFCA), a partir do contato com o projeto.
A inspiração começa bem cedo, como no caso da adolescente Andrecyelle de Souza, de 15 anos, que estuda regência na Escola Técnica Virgílio Távora. "Eu me identifico muito porque, desde pequena, convivo com essa família".
Andrecyelle entrou no Procem aos 4 anos de idade e, 11 anos depois do primeiro contato com instrumentos de percussão, canto e coral, ela participa do grupo Tambores de Axé. A escolha de estudar regência não foi por acaso. "Vai ser um futuro bom para mim, pois desde pequena tenho essa paixão por música", completa a estudante.
Enquanto Jorge Luiz de Oliveira, filho caçula de Aécio e Tereza, afirma que sua trajetória no projeto se confunde com sua vida, pois acompanhou desde os seis anos as aulas dos pais. "Não carrego o peso da obra de meu pai. Eu o vi tocando e me senti abrilhantado. Ele nunca me forçou a gostas de música. Até escondia o violão e eu pegava. Partiu de mim, do meu interesse pessoal", destaca o rapaz que, aos 23 anos, é músico e trabalha com harmonia.
Percepção
Jorge Luiz garante que o Procem foi importante para adquirir uma melhor percepção musical, pois ele tem um problema de audição que foi minimizado com a vivência. "Eu aprimorei meu ouvido. A gente leva um pouco da nossa musicalidade lá na frente. Com 16 anos na música, tendo novas amizades e criando novas influências", completa. Hoje, ele ainda participa, ajudando Aécio na afinação dos instrumentos.
Mesmo com as dificuldades de manter o projeto sozinho, Aécio e Tereza se motivam para continuar buscando parcerias. "Tem mês que é difícil acontecer as coisas", confessa o artesão. Ele chegou a reunir 40 crianças em uma oficina "e ficar em tempo de enlouquecer", brinca.
"A gente quer fazer porque está na nossa alma. Quando eu era criança, pelejei para me formar em Medicina. Ano passado, fiz uma prova e não deu. Mas não desisti não. Tô só com 61 anos", conclui.
Mais informações
Projeto Cultural Edit Mariano
Endereço: Avenida José Orácio Pequeno, 39, Zacarias Gonçalves (na subida para o Lameiro)
Telefones: (88) 99649 3268 - (88) 9 8801 9384

MPCE investiga secretário de Segurança de Icó por atirar contra professores


O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) instaurou, nesta sexta-feira (23), através do promotor Renato Magalhães, responsável pela Comarca de Icó, uma investigação criminal contra o secretário da Segurança do município, sargento Geilson Lima, acusado de usar spray de pimenta e atirar balas de borracha em direção à cabeça de servidores e professores municipais que participavam de manifestação pacífica.

Segundo o promotor, a ação visa a investigar a “prática de crimes levado a cabo pela pessoa do Sargento Militar Geilson Lima”, que consistem em possível prática de lesão corporal, abuso de autoridade, constrangimento ilegal e ameaça por parte do próprio secretário e outros agentes de segurança de Icó. Geilson Lima, secretário de Segurança da gestão Laís Nunes (PDT), já responde a outros processos criminais na Justiça.

Na ação, Renato Magalhães ainda pede que seja analisado o afastamento de Geilson Lima do cargo de secretário de Segurança.

Laís Nunes corta salário de professores

A Guarda Municipal de Icó, com aval da prefeita Laís Nunes e do secretário de Segurança, Geilson Lima, usou de violência contra professores e servidores, nos dias 19 e 22, que realizavam uma manifestação pacífica contra um projeto de lei, de autoria da própria própria prefeita, que reduz a carga horária dos professores da rede municipal de ensino e, por conseguinte, os salários do profissionais.
A matéria foi aprovada em definitivo na sessão de ontem (22), da Câmara Municipal, sob a presidência do vereador Fernando Nunes, cunhado de Laís Nunes.

Rota 12 terá largada em Caririaçu


Caberá ao prefeito de Caririaçu, Edmilson Leite recepcionar a caravana do presidenciável Ciro Gomes, a "Rota 12", que a partir do dia 1º de março desembarcará na Região do Cariri e percorrerá até o dia 3, vários municípios da região e do Centro-Sul do Estado.

Edmilson Leite prepara grande festa para receber Ciro, Cid, André Figueiredo e o ex-prefeito de Brejo Santo, Guilherme Landim.

De Caririaçu, a "Rota do 12" segue para Juazeiro do Norte, mais precisamente para a Colina do Horto, onde Ciro irá pedir as benção do Padre Cícero e depois para o Crato, onde encerrará o primeiro dia da caravana no Crato Tênis Clube.

Dia 2, Ciro e a caravana sairá de Missão Velha e seguirá para Barbalha, Jardim, Porteiras, Jati, Penaforte e Brejo Santo. No dia 3, será a vez de Milagres, Barro, Ipaumirim e Icó.

- no blog do Flavio Pinto

Em um ano, Juazeiro deixa última colocação no Space e conquista selo verde escuro

A Educação de Juazeiro do Norte tem motivo de sobra pra comemorar. É que o resultado preliminar do Sistema Permanente de Avaliação Básica do Ceará (Spaece)) 2017, divulgado  na quinta-feira (22) retira o município da incômoda última posição entre os 184 municípios cearenses.

Desta forma, Juazeiro deixa depois de um ano, a classificação do selo vermelho para verde escuro, a mais alta escala do Spaece. "Foi um trabalho realizado por toda equipe baseado em nos pilares: processo de leitura, escrita, interpretação e matemática, que eram as maiores deficiências dos alunos do ensino fundamental ao 9º ano", afirmou a secretária Maria Loreto de Lima, acrescentando que " acreditamos na escola integrada como forma transformadora, desde o vigia até o diretor", completou.

A parceria que o município fez com o complexo de ensino superior de Juazeiro do Norte foi fundamental para dar mais eficiência à educação. Loreto lembrou que ao longo de 2017, a Secretaria Educação, sob orientação do prefeito Arnon Bezerra, firmou parceria com as faculdades UFCA, Urca, Leão Sampaio e FMJ. Essas instituições, juntamente com a coordenação da CREDE 19 foram responsáveis por cursos de capacitação e treinamento aos profissionais da educação (professores, coordenadores e diretores). "Some-se a isso, a parceria da Fundação Lemann e o Instituto Mathema, que são referência no ensino nacional, que deram contribuição muito grande para que Juazeiro do Norte voltasse a ter o selo verde escuro.

Na gestão passada, os quatro anos seguidos de greve dos professores levou o município a terminar 2016 com selo vermelho, na última posição do ranking do Spaece. Desde que assumiu em janeiro de 2017, o selo vermelho incomodava o prefeito Arnon Bezerra. O gestor passou todo 2017 acompanhando e dando atenção especial à pasta. "Sabia que logo nesse primeiro ano, pelos investimentos feitos e o trabalho da equipe da secretária Loretto, o resultado seria alcançado", finalizou Arnon.

Em partida emocionante pelo NBB, Basquete Cearense derrota o Mogi

O Basquete Cearense recebeu o Mogi das Cruzes, no Ginásio Paulo Sarasate, em Fortaleza, pela 26ª rodada do NBB. Em partida emocionante, a equipe da casa venceu por 82 a 80 com uma cesta faltando dois segundos para o fim.
No primeiro quarto, o Mogi das Cruzes começou arrasador e chegou a abrir oito pontos de vantagem, porém, com mudanças na equipe, o Basquete Cearense melhorou e quase igualou o placar, que terminou com um 18 a 17 para os visitantes.
O Basquete Cearense voltou bastante ligado no segundo quarto, ganhando vários rebotes. Com isso, o Carcará abriu uma pequena vantagem. O Mogi das Cruzes se recuperou no final do quarto e ainda conseguiu sair para o intervalo com uma vantagem: 28 a 22 no quarto e 46 a 39 ao todo.
Após o intervalo, o Basquete Cearense voltou melhor que os visitantes. A equipe do técnico Alberto Bial conseguiu ir bem nos arremessos e fechar o quarto com 19 a 14. No quarto derradeiro, os mandantes aproveitaram os erros do Mogi para encostarem e depois virarem o placar para 82 a 80, com uma cesta de Davi Rossetto a dois segundos do final.
Com a derrota, o Mogi das Cruzes perdeu uma posição na tabela. Agora, a equipe de Jorge Guerra é a quarta colocada com 37 pontos e enfrenta o Vitória, na próxima segunda-feira, às 19h30. Enquanto o Basquete Cearense subiu para a nona colocação com 32 pontos e enfrenta o Caxias do Sul, na quarta-feira, às 20h05.
- no jornal O Povo

Corinthians vence e volta a usar o Palmeiras para se reerguer

Assim como ocorreu em 2017, ano em que era apontado como a quarta força do futebol local e conquistou o Campeonato Paulista e o Campeonato Brasileiro, o Corinthians poderá mudar os rumos da sua temporada a partir de um clássico contra o Palmeiras. Na tarde deste sábado, o time que vinha de três jogos sem vitória derrotou o seu grande rival em Itaquera por 2 a 0, com um belo gol de Rodriguinho e outro de Clayson, de pênalti.
Poderia ter sido mais. No princípio do segundo tempo, o árbitro Raphael Claus assinalou pênalti de Jailson sobre Renê Júnior e ainda expulsou o goleiro palmeirense. Jadson desperdiçou a cobrança. Clayson, ao contrário, não falhou quando teve a mesma oportunidade.
A vitória serviu para o Corinthians reagir no Estadual, acumulando quatro triunfos consecutivos diante do Palmeiras. Derrotado por Santo André (2 a 1) e São Bento (1 a 0) e com um empate com o Red Bull Brasil (1 a 1) na rodada anterior, o líder do grupo A passa a contabilizar 17 pontos ganhos.
Já o Palmeiras, primeiro colocado da chave C com 21 pontos, amargou a sua primeira derrota em 2018 e, para piorar, terá que começar a lidar com cobranças. Afinal, só havia empatado com Linense (2 a 2) e Ponte Preta (0 a 0) anteriormente.
Agora, entretanto, Corinthians e Palmeiras deixarão o Paulista momentaneamente de lado. Ambos têm compromissos pela Copa Libertadores da América no meio de semana, na Colômbia. A equipe de Carille enfrentará o Millonarios na quarta-feira. A de Roger, o Junior Barranquilla, no dia seguinte.
Pelo Estadual, o Corinthians disputará outro clássico, contra o Santos, no Pacaembu, no domingo de 4 de março. No dia 5, o Palmeiras receberá o São Caetano no Palestra Itália.
O jogo – O Corinthians não é brincadeira. Com esse pensamento, apregoado pelos torcedores nos gritos que ecoaram nos mais recentes clássicos contra o Palmeiras, o atual campeão paulista subiu no gramado de Itaquera com o sangue no olho não notado nos últimos jogos do Campeonato Paulista.
Mesmo sem dar tapa na orelha de qualquer palmeirense, o Corinthians tinha uma postura tática que colaborava com a sua motivação. O sempre aguerrido Romero atuava como um falso centroavante, com a mesma disposição para ajudar a marcação dos tempos em que era quase um falso ponta. Ou seja, atrapalhava bastante a saída de jogo do Palmeiras.
O sistema de jogo corintiano, também protegido pela presença de Renê Júnior ao lado de Gabriel na contenção do meio-campo, também tinha os seus malefícios. O time de Fábio Carille, quando não conseguia triangular, insistia em levantamentos infrutíferos ao alcançar os fundos do campo. Não havia um atacante de referência dentro da área para aproveitar esse tipo de jogada.
Seja como for, a estratégia do Corinthians incomodou o Palmeiras. Lucas Lima foi um dos que mais sentiram, distribuindo broncas nos seus companheiros. Mais calmo, o técnico Roger tentou dar novo escape à sua equipe com a inversão de lado entre Dudu e Willian.
Aos 18 minutos, o Palmeiras fez o que o Corinthians ainda não havia conseguido – assustou, de fato, o adversário. Borja recebeu a bola após um vacilo de Renê Júnior e ficou diante de Cássio para abrir o placar. O goleiro saiu bem e abafou a conclusão do centroavante colombiano.
No Corinthians, a resposta ainda era à base da disposição. Romero, por exemplo, fez uma jogada estranha ao dar um pontapé na bola e carimbar Dudu. O chute cheio de estilo rebateu no paraguaio e saiu pela lateral, mas foi suficiente para fazer a torcida única de Itaquera se agitar.
Aos 33 minutos, o público gritou “gol”. O placar, contudo, não mudou. Clayson colocou a bola na meta depois de receber de Jadson na ponta esquerda, e a arbitragem assinalou impedimento na jogada.
Aos 39, não houve jeito. O Corinthians trocou passes durante mais de um minuto até fazer a bola chegar a Rodriguinho. O meia deixou Borja e o ex-corintiano Antônio Carlos no chão com um drible seco e completou no contrapé de Jailson para – agora, sim – inaugurar a contagem no Derby.
A animação do Corinthians foi tamanha com a vantagem parcial que, em um erro do rival, o Palmeiras ficou perto de empatar ainda antes do intervalo. Balbuena e Cássio se atrapalharam em um cruzamento vindo da esquerda, fazendo lembrar a época em que Juninho Capixaba era titular, e viram a bola fugir pela linha de fundo.
Ainda assim, os jogadores do Palmeiras caminharam para o vestiário abatidos. “Vamos ver se voltamos melhores um pouco, para tentar empatar”, limitou-se a dizer Dudu. Do outro lado, Rodriguinho festejava o seu gol: “Isso é mérito de quem trabalha bastante”.
Roger trabalhou para tentar reverter o panorama do clássico. O Palmeiras retornou para o segundo tempo com Gustavo Scarpa, desejado pelo Corinthians no início do ano, no posto de William. A intenção era espelhar o esquema tático corintiano.
Com um a menos, porém, não haveria reflexo. Sofrendo com os avanços de Clayson na ponta esquerda – e com direito a uma caneta de letra de Rodriguinho sobre Felipe Melo –, o Palmeiras permitiu que o Corinthians rondasse a sua área até Henrique finalizar para fora, aos 15 minutos. Antes, Jailson saiu com os pés em cima de Renê Júnior. Pênalti assinalado, apesar do atraso do árbitro Raphael Claus.
Punido com o cartão vermelho, Jailson viu o experiente Fernando Prass, substituto de Lucas Lima, herdar a sua vaga no Palmeiras. Enquanto alguns torcedores do Corinthians brigavam com a Polícia Militar e outros se mostravam apreensivos, Jadson se apresentou para a cobrança. Bateu no canto. Para fora.
Abatido depois da falha, Jadson foi trocado por Mateus Vital pouco depois. O ritmo do jogo não mudou tanto com a alteração. O Corinthians não era mais ameaçado pelo Palmeiras, que perdeu criatividade sem Lucas Lima.
Aos 36 minutos, o Palmeiras se complicou de vez. Rodriguinho driblou Thiago Martins e foi derrubado por Dudu dentro da área. Pênalti, de novo. Agora, quem colocou a bola na marca da cal foi Clayson. O atacante bateu no meio do gol e conferiu para o reabilitado Corinthians, que fez a sua torcida gritar “olé” nos minutos derradeiros.
- no jornal O Povo

Ceará vence no PV e rebaixa Tiradentes para a Série B Cearense

Sem fazer muita força, o Ceará bateu o Tiradentes por 3 a 1 no PV, na noite deste sábado, 24, e assumiu a liderança temporária do Estadual. O resultado também sacramentou o rebaixamento do Tigre da Polícia Militar para a Série B do Campeonato Cearense. 

Arhur, Luidy e Roberto marcaram para o Vovô, enquanto Thiago Furlan, de pênalti, descontou para o Tiradentes. Durante a partida, o zagueiro Rafael Pereira voltou a jogar com a camisa alvinegra, recuperado de lesão e o meia Reina estreou, mas nenhum brilhou. O Ceará aguarda o resultado de Ferroviário x Fortaleza, neste domingo, 25, para saber se confirma ou não a liderança da primeira fase 

O Jogo

Os primeiros 15 minutos de jogo foram de poucas chances reais de gol e muitos passes errados. A melhor oportunidade antes do Ceará abrir o placar foi de Roberto, que após um escanteio sem sucesso do Tiradentes, arrancou com a bola do campo de defesa, ganhou de dois zagueiros e caiu na entrada da área, mas o árbitro César Magalhães considerou lance normal.

Arthur foi o autor do primeiro tento alvinegro, aos 20 minutos. Sentado e em posição irregular, ele aproveitou a finalização ruim de Luidy, após cruzamento de Leandro Silva, e só desviou para o gol. Foi o sexto dele na temporada, que o isolou na artilharia do time.

Três minutos depois foi a vez de Luidy marcar. Roberto fez a jogada pela direita, passou para Matheus Lira na grande área e este deixou para o jovem atacante alvinegro finalizar rasteiro no canto direito de Fábio Lima.

O Tigre da Polícia Militar sentiu os dois gols e pouco criou no restante da primeira etapa. Apenas Lelê, que entrou na vaga de Romarinho aos 29 minutos, conseguiu um chute de longe, que obrigou Fernando Henrique a espalmar em dois tempos. 

Roberto estava muito acionado pela direita e tentou criar novas chances, mas foi com Ernandes que o Ceará quase amplia. Arthur rolou a bola pra ele, dentro da grande área, que chutou, mas a bola bateu na trave.  

Logo no início da segunda etapa o Tiradentes teve as esperanças renovadas. Lelê foi derrubado por Leandro Silva no bico esquerdo da grande área, aos 3 minutos, e o árbitro César Magalhães marcou pênalti. Furlan cobrou e diminuiu a diferença. 

A proximidade no placar durou pouco. Aos 11, após troca de passes na grande área do Tigre, Roberto chutou e fez 3 a 1 para o Ceará. Daí em diante o alvinegro tentou apenas administrar o placar.

Do meio para o fim da partida, o Tigre, já no desespero, tentou uma pressão maior. Quando exigido, Fernando Henrique correspondeu e fez pelo menos três boas defesas. Ao fim da partida, alguns atletas do Tiradentes ficaram caídos no gramado, lamentando o rebaixamento. A reação dos atletas do Vovô foi contida, já que espera o resultado do Clássico das Cores, neste domingo, 25, para saberem se avançam ou não como líderes.

- no jornal O Povo