A 38 DIAS DA ELEIÇÃO, AINDA HÁ INCERTEZA SOBRE QUEM DISPUTARÁ 2º TURNO


Desde abril de 2017 o DataPoder360 realiza estudos sobre o cenário político e eleitoral no Brasil. É surpreendente que, no período e ao mesmo tempo, tanto e tão pouco tenha mudado.
Em abril de 2017, Lula e Bolsonaro lideravam a corrida para o Planalto. À época, a principal questão era quem seria o nome tucano na disputa: Aécio Neves, Geraldo Alckmin ou João Doria?
De lá pra cá, Lula foi preso; a delação da JBS foi publicada; o governo Temer bate recordes de impopularidade e o ceticismo em relação à política está cada vez mais consolidado na opinião pública.
Hoje, a incerteza é a principal característica da disputa presidencial no Brasil. A rodada de agosto da pesquisa DataPoder360 deixa-nos ainda com mais perguntas do que respostas:
  • Lula e o PT serão capazes de transferir votos para Fernando Haddad?
  • Bolsonaro conseguirá se manter competitivo apesar da pouca estrutura?
  • Alckmin conseguirá converter estrutura e tempo de TV em votos?
  • Marina Silva de fato é competitiva? Ou sobrevive apenas com o recall de eleições passadas?
  • Ciro Gomes conseguirá se colocar como opção viável para o eleitor de centro-esquerda?
  • Qual será o peso da TV na campanha? E o das redes sociais?
Os dados coletados apontam para a conclusão de que Lula tem, sim, capacidade de transferir as intenções de voto em si para um candidato como Fernando Haddad e torná-lo suficientemente competitivo para ir para o 2º turno.
Há 25% dos eleitores que afirmam votar com certeza num candidato a presidente apoiado por Lula.
Quando o DataPoder360 estimula especificamente com a possibilidade de terem Haddad como candidato de Lula, 8% dizem que votariam com certeza no ex-prefeito de São Paulo.
Esse percentual é suficiente para colocá-lo no mesmo patamar de Ciro, Alckmin e Marina Silva. A tendência é que com o início da campanha na TV a associação entre Haddad e Lula fique ainda mais clara.
A posição atual de Bolsonaro também torna provável que ele consiga manter parte relevante do seu eleitorado atual. O militar na reserva tem 21% das intenções de voto. A consistência do percentual de votos da candidatura de Bolsonaro impressiona.
Em nenhuma pesquisa realizada pelo DataPoder360 Bolsonaro esteve abaixo dos 14% de intenção de voto. Ele é também o nome com maior rejeição na disputa pela Presidência, porém os eleitores que votam em Bolsonaro parecem estar firmemente decididos.
Ciro, Alckmin e Marina compõem o 2º pelotão de candidaturas competitivas. Os 3 têm números muito parecidos na intenção de voto e no potencial eleitoral. Ocupam a faixa de 6% a 7% das preferências, com potencial de voto de 5% a 9% e um nível de rejeição que se aproxima de 2/3 do eleitorado.
Para esses 3 candidatos o tempo é o maior adversário. Eles já disputaram eleições presidenciais e são relativamente conhecidos pelos eleitores e eleitoras. Ou seja, já têm uma imagem estabelecida.
Em pouco mais de 30 dias de campanha o trio tem um desafio duplo: reapresentar-se ao eleitorado, e, ao mesmo tempo, desconstruir a imagem dos adversários na esperança de captar esses votos. Não são movimentos triviais e o tempo é escasso.
Alckmin parece ter escolhido Jair Bolsonaro como principal alvo de sua campanha. O sucesso da estratégia é incerto. O ex-governador de São Paulo está atrás de Bolsonaro em todos os recortes do eleitorado analisados pela pesquisa.
Mesmo em setores onde tradicionalmente candidatos tucanos têm bom desempenho, como eleitores de maior renda e com ensino superior, Alckmin está atrás do deputado. O início da campanha na TV deve diminuir essa diferença, porém não é possível saber se será suficiente para fazer com que Alckmin passe para o 2º turno.
Ciro Gomes aparece bem nas pesquisas e conseguiu, de certa maneira, consolidar-se junto a uma parcela do eleitorado de centro-esquerda. Ciro tem bom desempenho entre eleitores que recebem entre 5 e 10 salários mínimos, eleitores do Nordeste e com nível de educação superior. Contudo, a perspectiva de crescimento do ex-governador cearense parece ser limitada – especialmente pela atuação do PT e da candidatura Lula/Haddad.
A candidatura de Marina tenta mirar na parcela do eleitorado que rejeita a política ou que ainda está indecisa sobre em quem votar no dia 7 de outubro (18% do eleitorado). Com pouco tempo de TV e sem ter conseguido fechar alianças para dar estrutura e capilaridade à sua campanha, a ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente precisará trabalhar dobrado para se apresentar ao eleitorado como opção viável para a Presidência.
De maneira geral, a rodada de agosto do DataPoder360 revela que pouco mudou do mês passado, julho, e este mês, agosto de 2018. Houve consolidação marginal do cenário, com a maioria dos candidatos aumentando tanto seus níveis de potencial de voto quanto os níveis de rejeição.
A partir de 6ª feira (31.ago.2018), com o início do horário eleitoral na TV e no rádio, o quadro deve mudar de maneira mais perceptível. O tempo é curto até o dia 7 de outubro e “incerto” ainda é a palavra que melhor define o atual cenário.

- no site Poder 360

Leia mais no link: https://www.poder360.com.br/opiniao/datapoder360/a-38-dias-da-eleicao-ainda-ha-incerteza-sobre-quem-disputara-2o-turno/


Share on Google Plus

About leiasempre

Leia Sempre

0 comentários:

Postar um comentário