“OS PRIMEIROS 6 MESES DE BOLSONARO SÃO UMA BAD TRIP”. LEIA REPORTAGEM DO THE GUARDIAN SOBRE O BRASIL

                       O episódio do vídeo do “golden shower” foi destacado pelo centenário periódico britânico
O jornal britânico The Guardian, um dos principais veículos de comunicação da Inglaterra e do mundo, publicou nesta terça-feira (3) uma extensa reportagem sobre os seis primeiros meses do governo Jair Bolsonaro. O DCM publica, abaixo, a íntegra do material, e, como se poderá ver, não se trata de nenhuma análise elogiosa ao presidente da república do Brasil.
Bolsonaro é descrito como um político “notório por sua retórica bélica e cheia de bile e desprezo pelos direitos humanos”. Sua atuação na presidência é descrita como “cheias de gafes bizarras, incluindo o compartilhamento de um vídeo pornográfico com seus 3,4 milhões de seguidores no Twitter”.
Leia, abaixo, a reportagem do The Guardian sobre o Brasil e seu governo:
O Brasil estava há apenas algumas semanas do terremoto eleitoral do ano passado, quando a lenda do rock Lobão sentou-se do lado de fora de seu estúdio no quintal, ligou seu smartphone e anunciou que estava apoiando a vanguarda da extrema-direita.
“Eu cheguei à conclusão de que vou votar em Jair Bolsonaro”, declarou o roqueiro de direita em seu canal do YouTube. “Bolsonaro é a única chance de algo novo.”
Em uma tarde recente, no entanto, o cantor com voz grave se sentou em uma cadeira no mesmo terraço e admitiu um caso grave de arrependimento.
“É uma marmelada, uma loucura”, resmungou Lobão sobre o governo Bolsonaro, que tem sido atormentado por lutas internas, protestos em massa, reclamações de máfias e corrupção envolvendo sua família, um escândalo de contrabando de cocaína envolvendo um avião presidencial e revelações envolvendo seu famoso ministro da Justiça, Sergio Moro.
Sem mencionar uma série de gafes bizarras – incluindo o compartilhamento de um vídeo pornográfico com seus 3,4 milhões de seguidores no Twitter – que levaram alguns a questionar se Bolsonaro conseguirá sequer concluir seu mandato de quatro anos.
“Nem mesmo Syd Barrett teve uma viagem tão ruim”, disse Lobão.
Seis meses após a posse de Bolsonaro, Lobão, 61 anos, emergiu como um dos críticos mais ferozes do populismo de direita, atacando sua administração em uma sucessão de aparições na mídia.
E ele não está sozinho em seu desânimo.
PESQUISAS DE OPINIÃO MOSTRAM QUE OS ÍNDICES DE APROVAÇÃO DE BOLSONARO CAÍRAM DESDE SUA POSSE EM 1º DE JANEIRO, COM 32% DOS BRASILEIROS CONSIDERANDO O GOVERNO RUIM OU PÉSSIMO EM COMPARAÇÃO COM 11% QUANDO ELE ASSUMIU O PODER.
Mais da metade do Brasil agora diz que não confia no presidente. “É o pior começo de uma presidência desde o retorno da democracia [em 1990]”, disse Mauro Paulino, diretor do Datafolha, a principal empresa de pesquisas de opinião do Brasil. “Muito dependeria do adversário … mas se houvesse outra eleição hoje, eu não acho que ele seria reeleito.”
Notório por sua retórica bélica e cheia de bile e desprezo pelos direitos humanos, Bolsonaro tem sido uma figura de ódio para a esquerda brasileira. Mas um número crescente de vozes conservadoras também estão questionando sua presidência.
“Sua popularidade está caindo porque as pessoas se sentem confusas com as coisas que ele está fazendo e dizendo”, disse Eliane Cantanhêde, colunista do jornal conservador Estado de São Paulo, outro dos críticos mais incisivos de Bolsonaro.
O congressista de São Paulo, Arthur do Val, insistiu que ele e seu grupo libertário, Movimento Brasil Livre, não se arrependem de apoiar Bolsonaro “por um único segundo”.
Ele acusou jornalistas esquerdistas hostis de retratar injustamente o presidente do Brasil como um rabugento, um ogro e “um Hitler de 2019 que quer matar homossexuais”.
Mas que marca Val daria aos primeiros seis meses de Bolsonaro no poder?
“Quatro e meio em cada 10”, respondeu o político. “É mau.”
A queixa principal de Val era a influência excessiva da ala ideológica do governo de Bolsonaro – liderada por um excêntrico polemista chamado Olavo de Carvalho – e sua obsessão em travar batalhas ideológicas irrelevantes em vez de promover reformas fundamentais.
Ele também ficou perplexo com o fato de o controle das comunicações presidenciais ter sido confiado ao “filho mais esquentado” do presidente, Carlos Bolsonaro, que lançou uma sucessão de ataques da mídia social a supostos inimigos na administração de seu pai e à Direita do Brasil.
As “palhaçadas” de tais figuras arriscaram permitir um retorno de esquerda, adverte Val.
“Se o país acabar com uma impressão negativa da Direita e voltar a votar pela Esquerda, então acho que vamos seguir um caminho muito perigoso.”
Bolsonaro ainda goza de apoio considerável, como demonstrado por dois recentes comícios pró-governo. De acordo com as pesquisas, 32% dos brasileiros acreditam que seu líder está no caminho certo, com os defensores creditando a Bolsonaro uma queda no número de homicídios e um recente acordo comercial entre a UE e o bloco comercial sul-americano ao qual o Brasil pertence.
“No geral, acredito que as coisas estão indo muito bem”, disse Emerson Medeiros, um executivo de banco de 44 anos, elogiando o que ele viu como o compromisso de Bolsonaro com a reforma previdenciária e o combate à corrupção.
Na noite da vitória de Bolsonaro, Medeiros e sua esposa, Cláudia, se juntaram a grandes celebrações em São Paulo, pronunciando seu novo líder como o “salvador da nação”.
Seis meses depois, “ainda me sinto tão animada quanto naquele dia”, afirmou Cláudia, 44. “Eu realmente acredito”.
O casal negou ser seguidores cegos do presidente, ou integrantes bolsões de apoio, como são conhecidos no Brasil.
“Eu não sou aquela pessoa louca que vai eternamente adulá-lo mesmo se tudo der errado com seus filhos, e eles realmente são corruptos”, disse Cláudia, em referência a suspeitas de corrupção rodando em torno do filho mais velho de Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro.
Eles também expressaram desconforto com os erros públicos de Bolsonaro – incluindo sua recente insinuação de que turistas sexuais eram bem-vindos no Brasil, desde que não fossem gays.
“Mas ainda sinto que as coisas estão indo bem”, acrescentou Emerson. “A mídia se concentra muito nas coisas ruins e nunca destaca o bom.”
Edson Salomão, fundador do grupo Direita São Paulo, deu a Bolsonaro um boletim ainda mais ensolarado, mas teve dificuldades, quando questionado, em listar as principais conquistas de seus seis primeiros meses no cargo.
“Estou tentando lembrar de todos elas agora. Deixe-me dar uma olhada aqui ”, Salomão se atrapalhou, pegando seu smartphone. “Há muitas.”
Salomão rejeitou as críticas de Lobão, como as divagações de um irrelevante.
“Há algumas vozes que eu prefiro não ouvir – e a de Lobão é um delas”, ele riu. “Eu acho que ele é bom em fazer música – ele deve ficar com isso.”
Mas Lobão, cujo nome verdadeiro é João Luiz Woerdenbag Filho, não se arrependeu de falar, dizendo que não podia mais ser associado aos radicvais em torno de Bolsonaro.
“Eu absolutamente não posso ficar ombro a ombro com um bando de fanáticos, vilões”, ele reclamou.
“ESTAMOS NO COLO DE UMA DIREITA ABSOLUTAMENTE TROGLODITA E RETRÓGRADA … [E] ESSA DIREITA GROTESCA E CARICATURADA AUTOMATICAMENTE ABRIRÁ CAMINHO PARA O RETORNO DA ESQUERDA”
Lobão disse que viu algumas características redentoras na administração de Bolsonaro, principalmente o pragmático vice-presidente, Hamilton Mourão, e No ministro da Fazenda, Paulo Guedes – “um cara legal”, que ele esperava que tirasse a economia do Brasil do “pântano”.
No entanto, na maioria das vezes, ele se sentiu “temeroso” por sua atitude reacionária e a fidelidade de Bolsonaro aos “tele-evangelistas radicais”e seus ataques.
Em sua declaração pré-eleitoral, Lobão admitiu não ter ideia de onde um governo Bolsonaro poderia liderar. “É uma aventura? Sim, é uma aventura. Eu não sei o que vai acontecer.
Seis meses depois, e o roqueiro barbudo parece ainda menos seguro. “O Brasil é uma espaçonave maluca. Então tudo pode acontecer – e nós estamos dentro disso ”, comentou Lobão. “Esse é o problema.”
 (material publicado no site Diário do Centro do Mundo)
“OS PRIMEIROS 6 MESES DE BOLSONARO SÃO UMA BAD TRIP”. LEIA REPORTAGEM DO THE GUARDIAN SOBRE O BRASIL “OS PRIMEIROS 6 MESES DE BOLSONARO SÃO UMA BAD TRIP”. LEIA REPORTAGEM DO THE GUARDIAN SOBRE O BRASIL Reviewed by leiasempre on 07:50:00 Rating: 5

Nenhum comentário